Você está aqui:

Notícias

Seminário aprofunda discussão entre Governo de Minas Gerais e servidores públicos sobre aposentadoria

08/11/2018

Foto: Divulgação/Seplag

 

Com o objetivo de aprofundar ainda mais as discussões sobre a transição da vida laboral para a aposentadoria, a Subsecretaria de Gestão de Pessoas (Sugesp) da Seplag, por meio da Diretoria Central de Desenvolvimento (DCDES), promoveu, no último dia 6, o I Encontro Mineiro de Programas de Preparação para a Aposentadoria, realizado no auditório do campus da Fundação João Pinheiro do bairro Funcionários. O seminário, que contou com quatro palestrantes, é resultado de um grupo interdisciplinar formado, no início deste ano, pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), INSS, UFMG, além da Seplag, entre outras instituições públicas.

Um dos estudiosos mais antigos de PPAs do Brasil, o especialista em Psicologia das Organizações e do Trabalho e professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), José Carlos Zanelli, foi um dos palestrantes do evento. Segundo ele, a aposentadoria depende de uma série de fatores, que vai desde o nível individual até o macro (normas sociais e políticas governamentais).

Segundo o professor da UFSC considera importante que o trabalhador que está em vias de se aposentar comece a traçar uma rotina com atividades diversas (lazer, trabalho voluntário o até mesmo uma nova atividade profissional) para quando deixar sua vida laboral. “Isso é fundamental para que o recém-aposentado não entre em depressão com a ausência da rotina que tinha antes e que continue a se sentir útil e com qualidade de vida”, destacou.

 

Legislação

Responsável pela implantação e coordenação do Programa de Projeto de Vida e Preparação para a Aposentadoria (Prosseguir), da Seplag, Luciana Custódio abordou a legislação e o cenário atual em relação aos PPAs, destacando a publicação do decreto 47.417, do Governo de Minas Gerais, publicado no último dia 19 de outubro, que regulamenta a política de PPA para o Estado. “O decreto foi um grande avanço no âmbito da gestão governamental e que vai propiciar uma melhor adaptação do servidor para a aposentadoria, ressaltou.

De maneira geral, o decreto regulamenta a política de transição para a aposentadoria que começou a ser construída em 2017 pela Seplag. O PPA elaborado pelo Governo de Minas é composto por um conjunto de ações coordenadas que visam preparar os servidores em condições de pré-aposentadoria visando proceder a transição segura, orientada e sustentável, de forma que as eventuais mudanças sejam as menos impactantes.

 

Projetos de vida

Já a psicóloga Juliana Seidl, palestrante que abordou o tema “Ganhos e Desafios na Implantação de Programas de Preparação para Aposentadoria para o Serviço Público”, ressaltou que os PPAs vêm recebendo cada vez mais atenção por pesquisadores e gestores no Brasil, já que representam um espaço para que os participantes definam projetos de vida para o pós-carreira, de acordo com seus valores, suas crenças, suas necessidades e seus interesses. “Nessa perspectiva, os PPAs deveriam ser oferecidos a trabalhadores de todas as idades e ao longo da carreira. No entanto, ainda são poucas as organizações brasileiras que adotam essa prática de gestão de pessoas, sendo que, atualmente, a maior parte dos PPAs são oferecidas pelas instituições públicas”, esclarece.

Para a psicóloga Lúcia França, especializada em gerontologia social, o PPA é uma oportunidade não só para receber informações, mas para a adoção de práticas e estilos de vida mais saudáveis. “Este também é o momento para reconstruir o projeto de vida, a curto, médio e longo prazo, priorizando os interesses e as atitudes que precisam ser consideradas para realização dos projetos pessoais e familiares”, acrescenta. Os programas de preparação para a aposentadoria devem, segundo ela, proporcionar a maior participação, mobilidade e bem-estar dos aposentados.

 

Balanço

De acordo com a diretora central de Desenvolvimento da Seplag, Raquel Soares Otoni, além das palestras, também houve troca de experiências com os relatos de alguns órgãos/entidades que já possuem o PPA implantado e ainda o testemunho de uma ex-coordenadora de PPA em uma grande empresa, que se aposentou e participou do programa que coordenava.

“O compartilhamento desses conhecimentos demonstrou a importância de como a organização deve se comportar frente a gestão e transmissão dos conhecimentos, bem como no tratamento humanizado face a essa importante etapa da vida dos seus servidores/colaboradores”, afirmou.

Desde que o PPA começou a ser implantado no Governo de Minas Gerais, no ano passado, a Seplag já promoveu, além do I Encontro Mineiro de Programas de Preparação para a Aposentadoria, nove palestras e oficinas direcionadas a orientar e preparar os servidores em vias de se aposentar.