Você está aqui:

Notícias

Webinário sobre inovação no serviço público marca abertura da Semana Florestal 2021

MG Florestas, apresentado no evento, faz parte do processo de transformação digital dos serviços públicos realizado pela Seplag no Governo de Minas

O Instituto Estadual de Florestas (IEF) deu início, nessa segunda-feira (20/9), à Semana Florestal 2021. A abertura oficial aconteceu durante o webinário “Blockchain e a Inovação no Serviço Público”, transmitido ao vivo pelo canal Meio Ambiente Minas Gerais no Youtube.  

O evento contou com a participação da secretária de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Marília Melo, da diretora-geral do IEF, Maria Amélia Matos, e demais dirigentes do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema). Estiveram presentes também a Promotora de Justiça do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e Coordenadora Estadual de Defesa da Fauna, Luciana Imaculada de Paula, o diretor-presidente da Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais (Prodemge), Roberto Reis, e o subsecretário de Governança Eletrônica e Serviços da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), Rodrigo Diniz Lara.

Com o tema “Conservação, inovação e restauração florestal”, a programação segue até a próxima sexta-feira (23/9) e conta com webinars, palestras técnicas, ações de conscientização ambiental, além da inauguração de um novo núcleo regional do IEF em Conselheiro Lafaiete, na Região Central do Estado, e uma edição especial do Sisema ComCiência.

Durante a abertura do evento, a secretária Marília Melo ressaltou a importância das florestas no combate às variações do clima e desequilíbrio ecossistêmico. “Restauração florestal e redução do desmatamento são ações-chave para o combate às mudanças climáticas. Para que não tenhamos crise hídrica ou eventos hidrológicos extremos, precisamos preservar nossas florestas”, salientou.

A diretora-geral do IEF, Maria Amélia Matos, destacou a recente implantação do MG Florestas. Disponibilizado em agosto deste ano, no Portal EcoSistemas, o sistema de gestão florestal é considerado inovador por utilizar blockchain, tecnologia de validação que garante maior segurança ao trânsito e rastreamento de dados.

“Essa tecnologia é uma inovação crescente, tanto no Brasil quanto no mundo, e está sendo utilizada de forma pioneira no Sisema, reforçando o nosso compromisso constante com a inovação e praticidade dos serviços prestados ao cidadão mineiro”, disse.

Inovação no Serviço Público

Com o tema “Blockchain e a Inovação no Serviço Público”, o webinário de abertura da Semana Florestal 2021 contou com uma palestra da gerente de Inovação Digital do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Vanessa Almeida, que apresentou ao público os benefícios da tecnologia blockchain e suas principais utilizações na gestão de dados públicos.

De acordo com a palestrante, a tecnologia permite maior confiabilidade às informações por trabalhar com estruturas distribuídas, não passíveis de alteração. “As informações vão se somando e, como estão disponíveis em inúmeros servidores de forma encadeada, qualquer alteração na configuração inicial pode ser facilmente percebida”, explicou.

Entre as formas de utilização da tecnologia blockchain para a gestão de dados no setor público, Almeida citou alguns exemplos adotados em outros países e também no Brasil. “Alguns países, como Ghana, Suécia e Índia, estão utilizando o blockchain para estruturar a gestão digital de títulos de propriedade em seus territórios, ampliando a confiabilidade e integração dos registros realizados”, contou a palestrante.

No Brasil, a tecnologia é utilizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no desenvolvimento e gestão da Rede Nacional de Dados de Saúde (RNDS). A iniciativa utiliza containers virtuais em nuvem, segmentadas por estado, para que todos os aparelhos de saúde do país (hospitais, postos, unidades básicas, entre outros) possam trocar informações com segurança por meio de uma rede blockchain.

Minas Gerais

Dando continuidade ao ciclo de apresentações, o arquiteto de software da Prodemge, Carlos Santos Mendes, mostrou como o blockchain pode apoiar na rastreabilidade das cadeias produtivas reguladas pelo Estado e sua aplicação específica na cadeia do carvão vegetal.

Segundo Mendes, Minas mantém o maior parque industrial consumidor de carvão vegetal do Brasil, com um consumo aproximado de 40 milhões de m³ anuais. O estado conta também com a maior área de florestas plantadas do país.

“Essa cadeia produtiva conta com grande demanda de regulação por parte do Estado. Nosso objetivo é utilizar a tecnologia blockchain para apoiar a rastreabilidade da cadeia de carvão em Minas, armazenando informações importantes relacionadas ao produto, desde o plantio até o consumo. Garantindo a imutabilidade dos registros e maior transparência para a sociedade das ações que impactam o meio ambiente”, explicou.

Concluindo a rodada de palestras do evento, o gerente de Regularização das Atividades Florestais do IEF, César Donato de Araújo, apresentou o primeiro módulo do MG Florestas implantado no Portal EcoSistemas: o Módulo de Cadastro e Plantio.

“Com O MG Florestas pretendemos garantir que cada etapa da cadeia produtiva do carvão vegetal seja realizada de forma responsável e sustentável em Minas Gerais. Com a digitalização do processo regulatório pretendemos, além de reduzir a burocracia, ampliar os mecanismos de controle e diminuir riscos de adulteração relacionados à origem do produto”, afirmou.

Transformação digital

A Seplag, que também estava presente no evento, é parceira do IEF na iniciativa. “O MG Florestas está no contexto do processo de transformação digital dos serviços públicos que a Seplag tem realizado em parceria com os órgãos e entidades estaduais. Tivemos todo um trabalho que envolveu o Laboratório de Inovação (LAB.mg) no redesenho dos fluxos a partir de pesquisas de experiência do usuário para suportar o processo de desenvolvimento do sistema”, explicou Natália Ferraz, gestora técnica que acompanha o desenvolvimento do MG Florestas pela Seplag.

Ao final da transmissão, os palestrantes responderam dúvidas e questionamentos do público participante sob mediação do superintendente de Tecnologia da Informação da Semad, Tiago Aroeira.
 

Notícias relacionadas

23/03/2016

A iniciativa se pautará na ampla mobilização social, conscientizando a população para que se aproprie do projeto e participe ativamente do plantio, da manutenção e da fiscalização. A ação priorizará regiões com danos ambientais, nascentes de rios e seus afluentes e matas ciliares.

07/06/2016

Minas Gerais passa a conter com um Comitê Coordenador Estadual para cuidar da gestão, planejamento e execução do programa Cultivando Água Boa (CAB). A ação é uma iniciativa socioambiental pensada para agir na recuperação de microbacias, proteção de matas ciliares e da biodiversidade.

Minas Gerais avança na conservação e regeneração do meio ambiente
02/06/2017

Na véspera da Semana Mundial do Meio Ambiente, celebrada a partir da próxima segunda-feira (5/6), Minas Gerais tem motivos para comemorar e também muitos desafios pela frente. Dados do Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, da Fundação SOS Mata Atlântica, apontam que o desmatamento do